Tribos Urbanas

Há muito tempo existe uma tradição entre os adolescentes que é se dividirem em grupos conhecidos como tribos urbanas. Apesar de ser uma tradição houve algumas mudanças. Nos anos 60 e 70 as tribos geralmente se reuniam por questões sociais, econômicas, políticas etc. Hoje, porém, os adolescentes se reúnem em tribos muitas vezes por questões de modismo. As tribos atuais se unem pelo estilo de roupa, música, enfim, de interesses em geral. Cada tribo tem seu nome e suas gírias. As tribos mais populares são: os Roqueiros, os Rapers ou Manos, os Emos, os Indies, os Skaters (skatistas), os Freaks, patricinhas (patys) e mauricinhos (boys), clubbers,), góticos (darks), , plocs, entre outras que surgem a todo momento.

  • Roqueiros: Uma tribo um tanto quanto violenta. Escutam músicas pesadas e também são os seres mais malucos do planeta. Usam vestimentas pretas, são os maiores inimigos dos emos e prestam um serviço à humanidade, ajudando a eliminá-los da face da Terra se acham os mais pesados das tribos,  mas não passam de adolescentes, que escutam músicas incompreensíveis ao ouvido humano. Exemplos: Slipknot.
  • Manos ou vida loka 100%: Os manos são os que ouvem músicas, como Rap e funk. Logo, a sua postura, em conformidade,  é de revolta e oposição ás figuras de autoridade. São pobres marginalizados ou ricos “bombados”, que tem problemas familiares ou sociais recalcados, mas querem ser associados à violência, ao subgrupo humano.
  • Emo: Eles ouvem  emocore e hardcore além de serem muito sentimentais. Eles são odiados por muitas outras tribos, contando com um certo homossexualismo, suposta tendência suicida e auto flagelação   (só para chamar a atenção).
  • Indies: Não passam de adolescentes pseudo-intelectuais que lêem 1 ou 2 livros, assistem filmes iranianos de 3 horas e conversam por monossílabas.
  • Skaters: Os skaters são uma intersecção entre os Surfers e os Hip-hopers.  Essa é a tribo em que as pessoas se unem pelo esporte que praticam: o skate. Não é muito fácil reconhecer um skatista, mas geralmente eles usam roupas bastante largas, de cores neutras.
  • Surfers: Os surfistas dão tudo (literalmente) pela onda perfeita. Seu uniforme é: bermuda de tac-tel, óculos escuros tipo ray-ban, camiseta regata e cabelos compridos. Tudo isso, de preferência, numa praia, claro.
  • Freaks : Os freaks mandam drogas e são uma mistura de Hip-Hopers/Hippies, ou Hippies/Drogados.
  • Nerds: Os nerds são a turminha de espertos, que são “zuados” por todos, ouvem música pesada para se aparecer, mas na verdade ouvem Queen. Ao terminar a faculdade ja são eleitos gerentes ou outros cargos altos, e até criam novas coisas, que o deixaram milionários.
  • Patricinhas e Mauricinhos: É a tribo em que os “membros” vivem em função da moda. Normalmente, para fazer parte dessa tribo, é necessário ter uma boa condição financeira (ou criatividade), pois os acessórios e roupas não custam muito barato
  • Clubbers: Os clubbers vêem os dj’s como deuses e a danceteria como seu templo. Usam trajes muito coloridos, acessórios modernos, penteados e cortes excêntricos. A música dominante é o techno, o trance, house etc.
  • Góticos: Músicas melancólicas, poesias com assuntos mórbidos, roupas escuras e maquiagem bastante carregada: basicamente, essa é a vida de um gótico. Eles amam e vivem em função do “dark”. A banda inglesa The Cure  mostra o puro espírito da tribo dos góticos.
  • Plocs: Queria tanto que minha infância voltasse! Essa é uma frase que  está no vocabulário de um ploc. Como ainda não foi inventado um meio de voltar à infância, eles usam acessórios, roupas e obviamente brinquedos infantis. Os ídolos líderes entre eles são Hello Kitty, Meninas Superpoderosas, Piu piu, e por aí vai.
  • Jiu-jiteiros: Pick-up preta, Pit bull na janela, orelha toda ralada (de esfregar no chão durante as lutas) e uma “Maria Tatame” (namorada) ao lado. Esse é o estilo dos jiu-jiteiros. Só um problema: eles usam as técnicas do jiu-jitsu para brigar.
  • Otakus: São jovens que gostam excessivamente de anime e mangá (desenhos da cultura japonesa), ouvem músicas de bandas orientais e freqüentam eventos de desenhos japoneses (animes), vestindo-se como seus personagens preferidos (cosplay). São isolados, pois preferem viver no mundo imaginário dos desenhos do que no mundo real, fazendo isso através de jogos de RPG, jogos on-line e perfis “fakes” (falsos) na internet, nas salas de relacionamento.

O fato das tribos se unirem pelos seus interesses acaba ocasionando algumas brigas entre elas. Um exemplo disso é a rivalidade entre os roqueiros e os pagodeiros, que acabam brigando por escutarem estilos de músicas tão diferentes (pagode, que fala geralmente de rejeição amorosa, e rock, que geralmente fala de ira). Devemos conhecer e respeitar cada uma das tribos, porém, também devemos orientar nossos jovens a respeito do perigo de cada uma delas e da necessidade de termos a nossa tribo de contra cultura, a tribo Cristã, que também tem suas características próprias, roupas, música, jeito de ser e de agir diferente do mundo.

Anúncios

~ por sementesophia em 24/04/2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: